01Dezembro2021



     
   

Segurança & Defesa

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Avança a integração de sistemas de navegação do Gripen

Três engenheiros brasileiros de sistemas e software da Embraer para o Gripen E/F avançam na integração do VOR (VHF Omnidirecional Range Equipment) e do TACAN/DME (Tactical Air Navigation/Distance Measuring Equipment), recurso exclusivo do F-39 Gripen da Força Aérea Brasileira. Os trabalhos prosseguem no Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (Gripen Design and Development Network - GDDN), que fica nas instalações da Embraer, em Gavião Peixoto-SP.

O projeto é desenvolvido com supervisão da área de Dados de Voo e Navegação da Saab, na Suécia. Em reuniões semanais, a equipa sueca acompanha os avanços feitos no Brasil, da mesma forma que os brasileiros têm acesso a todas as informações necessárias, através da integração de seus computadores com os Saab, em Linköping; em 2018, esses engenheiros brasileiros já fizeram um treinamento on-the-job na Saab. Ao retornarem ao Brasil, eles começaram a trabalhar no GDDN, em 2019. Até o final de 2020, o grupo brasileiro trabalhou na integração do sistema RALT (Radar Altimeter Equipment). Essa parte do pacote de trabalho foi concluída e entregue para posterior avaliação de teste de voo, no final de 2020.

Esse esforço conjunto faz parte do programa de transferência de tecnologia que visa proporcionar o conhecimento prático necessário para a execução dessas mesmas tarefas no Brasil, fora de um ambiente de treinamento e formação, nos chamados pacotes de trabalho. Ao todo, são mais de 50 destes pacotes, que envolvem áreas de sistemas, estrutura, software e aviônicos, por exemplo.

Nas palavras do Coronel Leite, gerente do Programa FX-2 na Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC): "O processo de transferência de tecnologia começa com a parte teórica. Depois, no on-the-job training, os brasileiros são treinados em atividades com a observação e o acompanhamento de um mentor sueco da Saab. A partir do momento que o treinamento prático termina, o processo passa para os pacotes de trabalho, e é nesse momento que a gente vê os benefícios da transferência de tecnologia. Hoje, esses profissionais participam ativamente no desenvolvimento da aeronave no GDDN". (Foto: Sgt Johnson/FAB).