16Abril2021

      
 
   

Segurança & Defesa

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

O Rafale F3-R pronto para emprego operacional

O Almirante Pierre Vandier - Chefe do Estado-Maior da Marinha Francesa, e o General da Força Aérea Philippe Lavigne - Chefe do Estado-Maior da Força Aérea e Espacial Francesa, aprovaram conjuntamente a entrada em serviço operacional do caça Rafale F3-R (foto: Dassault). A atualização das capacidades dos aviões de combate franceses está no topo da lista de prioridades do plano de despesas militares da França (LPM), que prevê um investimento de 2,7 bilhões de euros no desenvolvimento das novas versões do Rafale no período 2019-2025.

A Marinha Francesa e a Força Aérea e Espacial Francesa estão agora autorizadas a fazer uso operacional de todas as capacidades desenvolvidas em torno do padrão F3-R, que já está instalado em metade da frota francesa e será eventualmente instalado em todas as aeronaves Rafale em serviço. Ambas as forças agora têm uma aeronave de caça multifuncional de classe mundial à sua disposição, capaz de operar nos ambientes mais disputados.

A decisão também se aplica à aeronave Rafale da GAE (ala aérea) operada a partir do porta-aviões Charles-de-Gaulle ou das unidades da Força Aérea e Espacial Francesa que operadas a partir da base aérea avançada na Jordânia no âmbito de operação Chammal.

A entrada em serviço operacional é o culminar de um processo, que no seio de ambas as Forças Armadas consistia em determinar e divulgar as táticas operacionais aplicáveis ??definidas para as novas capacidades das aeronaves multifunções, possibilitadas pelo padrão F3-R, e particularmente as oferecidas pelo míssil ar-ar Meteor de longo alcance e pelo designador de alvo baseado em terra TALIOS.

 

A nova versão do Rafale continuará a transportar o míssil ar-solo avançado de médio alcance (ASMPA) como parte de missões de dissuasão nuclear aerotransportadas.

O F3-R Rafale agora é capaz de usar o pod de designação de laser de alta resolução TALIOS, que pode gerar imagens nas faixas visível e infravermelho, e se beneficiará de capacidades amplamente aprimoradas que permitirão realizar inteligência e aquisição de alvos, e missões de acompanhamento e designação. Em particular, o Rafale contará com novas e mais eficientes capacidades de rastreamento de alvos fixos ou móveis, bem como uma capacidade de detecção automática de alvos móveis e uma nova interface homem-máquina que o tornará mais fácil de usar.

No novo padrão, o Rafale F3-R também oferecerá uma capacidade de ataque ao solo aprimorada. Agora será possível controlar o tempo de vôo da munição, a iluminação a laser e as configurações das armas em vôo, inclusive para o terminal de orientação a laser AASM (sistema modular de armas ar-solo).

O Rafale F3-R também contará com um sistema anti-colisão automático (AGCAS) que o tornará mais seguro. O AGCAS é uma função de proteção final projetada para prevenir quaisquer riscos de colisão com o solo.

A partir de 2022, novas capacidades serão adicionadas ao Rafale, com o padrão F4. A aeronave incluirá soluções de conectividade inovadoras, oferecendo recursos aprimorados de operação de combate em rede. Sensores de radar aprimorados e optrônica frontal também serão adicionados, bem como um visor montado no capacete e novas armas integradas, como o míssil ar-ar MICA NG e a arma ar-solo modular de 1000 kg.

Capacidades associadas ao padrão Rafale F3-R:

• Capacidade de superioridade aérea sustentada, com:

• O míssil Meteor e um radar robusto (também robusto em situações EW densas)

• Um sistema Spectra EW aprimorado

• Uma capacidade de alerta reforçada contra ameaças inimigas

• Resiliência aprimorada contra congestionamento de GPS

Loop de decisão mais rápido e interoperabilidade sustentada

• Maior capacidade de identificação e designação de alvos terrestres, com a integração do novo pod de designação de laser (TALIOS)

• Capacidade sustentada de reabastecimento em vôo, com a integração de um pod de nova geração (NARANG)

• Integração da bomba de 500 kg guiada a laser GBU16

• Segurança de vôo aprimorada, com a integração de um sistema automático de colisão no solo

• Sistema de suporte aprimorado, com uma capacidade de diagnóstico de falhas mais rápida e precisa