25Maio2019

 
    
    

Segurança & Defesa

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Especialistas em Guerra na Selva do Brasil convidados pela ONU para atuarem como instrutores na MONUSCO

A Organização das Nações Unidas (ONU) convidou o Brasil para participar da Missão das Nações Unidas na República Democrática no Congo (MONUSCO) com instrutores formados pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), organização militar reconhecida como um dos melhores centros de especialização de guerreiros de selva do mundo.

Atualmente, a MONUSCO é a segunda maior missão de paz em andamento da ONU, atrás somente da que ocorre na República do Mali (MINUSMA), também localizada no continente africano.

A preparação para a missão inicia-se ainda em abril, quando 13 guerreiros de selva selecionados voltarão a se encontrar no CIGS, em Manaus. O grupo, composto por oficiais e sargentos, passará por diferentes treinamentos até o embarque para o país africano.

No CIGS, de 29 de abril a 10 de maio de 2019, eles realizarão a revisão, em inglês, das técnicas mais modernas de Guerra na Selva. Após esse período, os militares passarão por avaliações físicas e psicológicas em centros especializados do Exército Brasileiro, no Rio de Janeiro. Além disso, um preparo específico para a atuação em Missões de Paz ainda será realizado pelo Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), também localizado na capital fluminense.

A MONUSCO conta, hoje, com mais de 15 mil militares de diferentes países e está sob o comando de um militar brasileiro – o General de Divisão Elias Martins Filho, que tem o mandato previsto até dezembro de 2019. Além do Force Commander, mais oito militares brasileiros fazem parte da missão no centro do continente africano.

No momento, o Brasil participa de nove missões da ONU, com 44 militares do Exército Brasileiro.

Abaixo Instrutor do CIGS durante aula do COS a oficial da Legião Estrangeira da França, um Comando do Exército Argentino e um membro das Forças Especiais do Exército do Equador (Foto: CIGS).