25Janeiro2022



        

Segurança & Defesa

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Comando Naval de Operações Especiais da Marinha do Brasil realiza o primeiro Adestramento Conjunto de Planejamento de Operações Especiais

Sob coordenação do Comando Naval de Operações Especiais (CoNavOpEsp), no período de 22 a 26 novembro, foi realizado, nas instalações do Centro de Instrução e Adestramento Almirante Átilla Monteiro Aché (CIAMA) e do Grupamento de Mergulhadores de Combate, o Adestramento Conjunto Específico de Planejamento de Operações Especais, que contou com a participação de oficiais representantes das Forças de Operações Especiais da Marinha do  Brasil (CoNavOpEsp), Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais (BtlOpEspFuzNav) e Grupamento de Mergulhadores de Combate (GRUMEC), do Exército Brasileiro (Comando de Operações Especiais - COpEsp, 1º Batalhão de Forças Especiais - BFE, 1º Batalhão de Ações de Comandos – BAC e 3ª Companhia de Forças Especiais) e da Força Aérea Brasileira (Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento - EAS/PARA-SAR).

A coordenação do exercício ficou a cargo de oficiais cursados no Curso de Estado-Maior para Oficiais Superiores (CEMOS), lotados nos Departamentos de Operações Especiais e de Operações de Informação do Comando Naval de Operações Especiais, o que possibilitou a eficaz condução dos debates nos níveis operacional e tático e atividades relacionadas ao planejamento de operações especiais de uma Força Conjunta de Operações Especiais Componente.

O Adestramento foi dividido em duas fases. A primeira se iniciou no dia 22 de novembro, com exposições doutrinárias dos representantes das Forças de Operações Especiais (FOpEsp) da Marinha, Exército e Força Aérea, e teve como objetivo nivelar conhecimento sobre as capacidades, possibilidades e limitações de cada FOpEsp participante.

A segunda fase do adestramento ocorreu entre os dias 23 e 26 de novembro, tendo como objetivo nivelar conhecimentos relacionados ao Processo de Planejamento Conjunto de uma Força Conjunta de Operações Especiais Componente que, quando ativada, pode ser comandada pelo Comando Naval de Operações Especiais da Marinha do Brasil ou pelo Comando de Operações Especiais do Exército Brasileiro.

Nesta fase, os oficiais representantes participaram do desenvolvimento da primeira etapa do Planejamento Tático de uma Força Conjunta de Operações Especiais Componente, no contexto de um problema militar simulado, onde, de forma prática, nivelaram seus conhecimentos por meio dos trabalhos de Estado-Maior utilizando o Processo de Planejamento Conjunto e por meio de debates sobre  organização, aspectos táticos, logísticos, de comando e controle, e de operações de informação da Força Conjunta Componente.

Por ocasião do encerramento das atividades, o Comandante Naval de Operações Especiais, Contra-Almirante (FN) Claudio Eduardo Silva Dias, destacou a importância do adestramento, que permitiu a integração e o alinhamento de conhecimento das capacidades e peculiaridades das Forças de Operações Especiais de cada Força Singular.

A atividade foi promovida e supervisionada pelo Ministério da Defesa, e faz parte de uma série de adestramentos voltados para o nivelamento e a padronização de procedimentos, assim como divulgação e assimilação de boas práticas e lições aprendidas entre as Forças Armadas, viabilizando e aprimorando o emprego conjunto e a interoperabilidade.



Acima
Abertura do Adestramento pelo Comandante Naval de Operações Especiais, Contra -Almirante (FN) Claudio Eduardo Silva Dias.



Acima
Fase de Apresentação das Forças de Operações Especiais



Acima Fase de Planejamento das Forças de Operações Especiais


Acima Encerramento do Adestramento com palavras do Comandante Naval de Operações Especiais.


Acima Oficiais participantes do adestramento.